25 julho 2014

Apelo do Movimento NSI-PT

No dia 2 de Março de 2014 foi publicado no jornal Público uma notícia elaborada pela jornalista Ana Dias Cordeiro, cujo título é: Moçambique: Padres Investigados por suspeitas de abusos dirigem orfanato e escola que teve apoio de Portugal.

Como católicas/os e cidadãs/aõs ficamos preocupadas/os e no dia 11 de Junho enviámos um email a solicitar informações acerca do caso às seguintes entidades: Embaixador de Moçambique em Lisboa; Embaixador de Portugal no Maputo; Presidente do Instituto Camões; Conferência Episcopal Portuguesa; Conferência Episcopal Moçambicana; Núnico Apostólico no Maputo; Núncio Apostólico em Lisboa; Superior da Ordem dos Dehonianos em Roma; Superior da Ordem dos Dehonianos em Portugal.

O texto do e-mail segue abaixo.

Até à data de hoje, dia 24 de Julho, não recebemos qualquer resposta. Recordamos que recentemente o Papa Francisco voltou a lamentar a terrível tragédia dos abusos sexuais perpetrados por autoridades religiosas. Vimos agora alertar a rede NSI, solicitando a vossa intervenção e interesse pelo esclarecimento deste caso.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Texto da mensagem de email:

No dia 2 de Março de 2014 foi publicado no jornal português 'Público' uma notícia (ver acima) elaborada pela jornalista Ana Dias Cordeiro, que muito nos preocupou como católicas/os e cidadãs/aos.

As informações dadas são da maior gravidade, pois descrevem atentados chocantes aos direitos humanos de crianças  completamente desprotegidas e sós.

Acresce que quem chamou a atenção para  estes factos, o português Dr João Gomes de Oliveira, lá colocado pela cooperação portuguesa, já foi alvo de um atentado que quase lhe roubou a vida.

Segundo nos informam, até ao presente, nada aconteceu tendo em vista investigar o que se está a passar em Gurúè.

Nem as autoridades civis moçambiquanas e portuguesas, nem as autoridades eclesiásticas de Moçambique ou em Roma tomaram a iniciativa de esclarecer uma situação tão dramática.

Pela nossa parte, as nossas consciências obrigam-nos a pedir com insistência que nos informem, com a maior urgência, o que se passa no orfanato de Gurúé. Nomeadamente solicitamos a intervenção urgente das autoridades da Igreja, em Moçambique, Portugal e Vaticano, tendo em vista a averiguação deste caso. Não pode ser esta mais uma situação  em que daqui a uns anos nos interroguemos  'como foi possível?'

Aguardando as vossas notícias com um grande interesse,
agradecemos a vossa melhor atenção,

Ana Vicente (em nome do Movimento ‘Nós somos Igreja’ – Portugal)
Lisboa, 11 de Junho 2014

Sem comentários:

Publicar um comentário