11 agosto 2019

Elogio do inútil & OS PRIVILÉGIOS DO VERÃO


Elogio do inútil

Anselmo Borges
Padre e Professor de Filosofia
1. Vivemos num tempo com algumas características deletérias. Por exemplo, não penso que seja muito favorável assistirmos em restaurantes a famílias inteiras a dedar num smartphone: o pai, a mãe, os filhos..., que quase se esquecem de comer e sem palavra uns com os outros. É bom estar informado, mas neste dedar constante perde-se o contacto autêntico da e com a família, esse estar presente aos outros mais próximos. E, com o tsunami das informações, incluindo as fakenews, fica-se sujeito ao engano, à confusão, e corre-se o risco de se estar a criar personalidades fragmentadas, alienadas, interiormente desestruturadas. E, ao contrário do que se pensa, dentro da conexão universal através das redes sociais, sofrendo uma imensa solidão.
A nossa sociedade é também avassalada pelo ruído e pela pressa. Toda a gente corre, sempre com a vertigem da pressa - para onde?, poder-se-ia perguntar. Para longe de si. Quando é que alguém está autenticamente consigo, sem narcisismo, evidentemente? E o ruído atordoador? Quem é que ainda consegue ouvir o silêncio e aquilo que só no silêncio se pode ouvir? A voz da consciência, a orientação para o sentido da vida, Deus? Quem se lembra do dito famoso de Calderón de la Barca, que escreveu que "o idioma de Deus é o silêncio"?
Parece que esta situação vem de longe. O dramaturgo Eugène Ionesco, já em 1961, se lhe referiu numa conferência, com estas palavras: "Vejam como as pessoas correm atarefadas pelas ruas. Não olham para a direita nem para a esquerda, preocupadas, de olhos fixos no chão, como cães. Caminham a direito, mas sempre sem olhar em frente, pois seguem maquinalmente um percurso já bem conhecido. Em todas as grandes cidades do mundo, é assim que acontece. O homem moderno, universal, é o homem atarefado, que não tem tempo, que é escravo da necessidade, que não compreende que uma coisa possa não ser útil; que não compreende sequer que, na realidade, o útil pode ser um peso inútil, opressivo. Se não se compreende a utilidade do inútil e a inutilidade do útil, não se compreende a arte; e um país onde não se compreende a arte é um país de escravos ou de autómatos, um país de pessoas infelizes, de pessoas que não riem nem sorriem, um país sem espírito; onde não há humor, não há riso, há raiva e ódio." No mesmo sentido, chamando a atenção para "as ameaças que pesam sobre uma humanidade que não tem tempo para reflectir", Ítalo Calvino escreveu: "Essas pessoas atarefadas, ansiosas, que perseguem um objectivo que não é um objectivo humano ou que é apenas uma miragem, podem de repente, ao ouvir o som de uma qualquer trombeta ou o chamamento de algum louco ou demónio, deixar-se arrastar por um fanatismo populista."
2. Chegámos, deste modo, cavando mais fundo, à raiz da desorientação deste nosso tempo. Ela encontra-se na mercantilização de tudo, em função do lucro, na subordinação à lógica dos mercados. Afinal, como observou agudamente o filósofo Giorgio Agamben, "Deus não morreu. Tornou-se Dinheiro". E Jesus já tinha prevenido: "Não podeis servir a Deus e a Dinheiro" (com maiúscula, como se fosse um nome próprio, um deus, Mammôn, em aramaico, a língua materna de Jesus). Como escreveu Nuccio Ordine, com a lógica do lucro, grande parte da Humanidade perdeu o direito de ter direitos, multidões morrem de fome; "transformando os homens em mercadoria e em dinheiro, este perverso mecanismo económico gerou um monstro, sem pátria e sem piedade, que acabará por negar também às gerações futuras qualquer forma de esperança".
A citação recebo-a emprestada de Nuccio Ordine no seu livro A Utilidade do Inútil, um manifesto a favor do "inútil". De facto, com a mercantilização de tudo e quando só vale o útil, o que serve na lógica do lucro, o que é eficaz e produtivo, a razão técnica e calculadora, tem sentido perguntar: o que vale a poesia, a grande literatura, a música, o saber pelo saber, as humanidades? É claro que neste universo utilitarista, "um martelo vale mais do que uma sinfonia, uma faca mais do que um poema, uma chave inglesa mais do que um quadro, porque é fácil perceber a eficácia de um utensílio e cada vez mais difícil compreender para que servem a música, a literatura, a arte".
Com a financeirização especulativa da economia, só ficam as leis cínicas do mercado e a aparente omnipotência do dinheiro. E a própria política fica reduzida a negócio(s). Já Rousseau tinha observado no seu tempo: "Os antigos políticos falavam sem descanso de costumes e de virtudes; os nossos não falam senão de comércio e de dinheiro", como se tudo o que não dá lucro fosse supérfluo ou até perigoso. Mas, então, no quadro da lógica economicista do lucro, tem sentido perguntar: porque é que nos queixamos da teia infindável da corrupção?
Martin Heidegger chamou vigorosamente a atenção para os perigos do monopólio da razão técnica, instrumental. Porque a técnica não pensa, apenas calcula. E aí temos nós a razão que apenas se interessa pelo que se mede e calcula, pela quantidade, ignorando a qualidade. Mas, então, quem somos e o que é que somos, na abertura constitutiva à Transcendência? Pensando apenas nas "finalidades técnicas" e no "para que serve?", pergunta-se: onde está a beleza de um pôr do Sol, para que serve a ternura de um beijo, o florir de um sorriso de criança, a honra, a dignidade, o pensamento crítico, a gratuidade, a filosofia, o estudo das Humanidades, o mistério do Ser e de se ser? Tudo isso é inútil? No entanto, como disse o biofísico e filósofo Pierre Lecomte du Noüy, "na escala dos seres, só o Homem executa actos inúteis", acrescentando dois psicoterapeutas, Miguel Benasayag e Gérard Schmidt, que "a utilidade do inútil é a utilidade da vida, da criação, do amor". No seu livro A Cerimónia do Chá (1906), o japonês Kakuzo Okakura intuiu que a passagem do bruto ao humano se deu com a descoberta do inútil: "O homem primitivo superou a sua condição de bruto ao oferecer a primeira grinalda à sua namorada. Elevando-se acima das necessidades naturais primitivas, tornou-se humano. Quando percebeu o uso que se podia fazer do inútil, o homem fez a sua entrada no reino da arte." Kant apresentou o belo como o que agrada desinteressadamente; o belo tem a sua finalidade em si mesmo, não é para outra coisa, é "uma finalidade sem fim".
Frente à desertificação galopante do espírito, impõe-se voltar à aparente inutilidade do "inútil", ao "fascinante esplendor do inútil", na expressão de George Steiner, que tem a ver com os valores irrenunciáveis da cultura e da educação livre, da grande música, da arte, do estudo dos clássicos e da filosofia, da dignidade livre e da liberdade na dignidade, do pensar crítico.
Concluo, com Nuccio Ordine: "Se deixarmos morrer o gratuito, se renunciarmos à força geradora do inútil, se ouvirmos unicamente este canto das sereias que nos impele a procurar o lucro, só seremos capazes de produzir uma colectividade enferma e desmemoriada que, confusa, acabará por perder o sentido de si mesma e da vida." E uma previsão que dá que pensar: cerca de um terço dos portugueses pode vir a ter perturbações de ansiedade. Um facto: está a aumentar o consumo de ansiolíticos, antidepressivos... Sem pôr em questão a imensa dívida para com a razão tecnocientífica, impõe-se interrogarmo-nos sobre se não acabámos por criar uma civilização contra nós.
in DN, 11.08.2019
● ● ● ● ● ● ● ● ● ● ● ● ● ●
QUE COISA SÃO AS NUVENS

JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA
OS PRIVILÉGIOS DO VERÃO
SOMOS SEMPRE TENTADOS PELO ARTIFÍCIO. USAMOS AS COISAS PARA NOS ESCONDERMOS ATRÁS DELAS
Não raro, para olharmos a vida na sua amplidão temos de arriscar outros pontos de vista. Vivemos tão em cima dos acontecimentos, tão capturados pela sua intensidade que verdadeiramente não os conseguimos ver. Por isso é importante mudarmos de sítio, alterarmos o ponto de observação e nos distanciarmos, reencontrando assim as condições que a dada altura nos faltam para podermos ver aquilo que, talvez por estarmos demasiado perto, já não avistamos. O tracejado da vida é, como sabemos, repetitivo e habitudinário e desdobra-se como uma confortável constelação de rotinas. Certamente há nisso enormes vantagens, pois desse modo conseguimos realizar uma extensa quantidade de tarefas com um mínimo de esforço e corresponder agilmente, quase de olhos fechados, às exigências do quotidiano. O perigo maior, porém, é quando a força do hábito se substitui à força da vida. E quando o que se ganha em eficácia na gestão do imediato nos impede de escutar o que, em profundidade, nos habita. Nesse sentido, o período do verão pode corresponder a uma oportunidade. Não para um programa de evasão, como se existência pudesse ser uma coisa em fuga ou uma tarefa adiável. Mas como uma possibilidade real de encontro — na verdade, de reencontro e de audição — da inteireza que somos.
O verão pode corresponder a uma possibilidade real de encontro da inteireza que somos

Demócrito, um filósofo pré-socrático do século V a.C., que definia cada ser humano como “um pequeno universo”, ensinava que o conhecimento em que assentamos a nossa história corrente é mais parcial de quanto pensámos (ele, por exemplo, chamava “conhecimento obscuro” ao que é produzido pela vista, ouvido, olfato, gosto e tato). A este saber parcelar, feito de imagens, fragmentos e impressões, ele opunha aquele operado “por um órgão de conhecimento mais subtil”, de natureza espiritual. Para aceder a isso, contudo, não tenhamos dúvidas: precisamos de tempo. Precisamos desse bem precioso que por vezes é um privilégio oferecido pelo verão, para sairmos da vertigem das vias rápidas com que resolvemos (ou, melhor dizendo, com que empatamos) internamente a vida e voltarmos aos trilhos pacientes de terra batida, aos prados em aberto, às clareiras silenciosas do bosque, aos promontórios onde se contacta com a imensidão. Platão colocou na boca de Sócrates, na Apologia, que o bem maior concedido ao homem é a possibilidade que este tem de se interrogar sobre si mesmo, e que o infortúnio mais lesivo era ser privado dela. Não é fácil perfurar a espessa crosta daquilo que na prática sobrepomos a esta verdade nua que nos reconduz ao essencial. Somos sempre tentados pelo artifício. Usamos as coisas para nos escondermos atrás delas. Atordoamo-nos de pequeninas razões e de grandes desculpas para amortecer o impacto dessa chamada perene. Foi ainda um autor da antiguidade clássica, Menandro, que cunhou um dístico que soa assim: “Que delícia, um homem que é verdadeiramente um homem!” Trata-se do dever mais longo, desamparado e árduo que nos cabe: ser ou tornar-se aquilo que se é. Sem cumprirmos esse mandato é improvável chegar a dizer do nosso existir, “que delícia!” 
Quando o turbilhão das ocupações acidentais parece conflituar e esgotar o espaço daquilo que deveria ser a minha ocupação fundamental, ajuda-me muito recordar o título de uma obra do teólogo Paul Tillich, “A Coragem de Ser”. A coragem da aceitação da vida e do risco de viver como um destino, sentindo o chamamento a perseverar num esforço de consciência que me coloque à altura daquilo que significa a minha própria humanidade. 
in Semanário Expresso,10.08.2019




Sem comentários:

Publicar um comentário