30 junho 2013

POBREZA ESCANDALOSA E POBREZA VIRTUOSA

     
1. O Papa Francisco não tem precisado das habituais campanhas de marketing destinadas à construção de uma vedeta, para consumo dos meios de comunicação social. Os gestos simples, calorosos e alegres de proximidade surgem como o seu modo de ser. O que lhe importa é deslocar os olhos das pessoas para o mundo dos pobres, excluídos e marginalizados, denunciando as opções económicas e financeiras que aprofundam o abismo entre os muito pobres e a dominação de interesses incontrolados, a nível local e global. Alerta para o carreirismo eclesiástico e o seu aburguesamento, ataca o moralismo hipócrita que, a coberto de preceitos e normas canónicas, oprime a consciência dos fiéis, em vez de os acolher, libertar e responsabilizar. Nota-se, na sua prática, a preocupação de ajudar a Igreja a tornar-se um rosto humano de Deus e a advogada da dignidade divina dos ofendidos. Destaca os que servem a Igreja e a sociedade sem nada pedirem em troca.
Estas atitudes podem tornar-se um incentivo para a reforma da Igreja no seu todo, das cúrias diocesanas e vaticana, assim como das congregações religiosas e movimentos católicos. Não servem para substituir o grande vazio mundial de lideranças humanistas e espirituais, nem para promover o culto da personalidade, a papolatria.
A forma como o papa Francisco acaba de evocar a figura de S. João Baptista mostra que não entende a Igreja como o sol do mundo. A Igreja é apenas a lua. Não é a fonte da Luz, precisa de ser iluminada. Como João Baptista, é a voz da Palavra que escuta e medita, não é a Palavra.            
2. Pertence, por isso, à verdade da Igreja ser radicalmente pobre. Nasce e alimenta-se da graça divina nas expressões da história humana, segundo a diversidade das culturas e tradições religiosas. Nas comunidades cristãs tudo é fruto de um dom para que cultivem a gratuidade nos serviços que prestam à sociedade: recebestes de graça, dai de graça.
As comunidades cristãs não são a salvação, mas sacramento, sinal e instrumento da salvaguarda e da cura da natureza. O alfa, o ómega e o coração do mundo é o Mistério infinito no qual vivemos, nos movemos e existimos. A Igreja existe para nos acordar para o essencial.           
O contributo destes breves meses de pontificado está de acordo com a liturgia do passado domingo: Jesus não recusou o papel profético que o povo reconheceu nele, mas recusou o de Messias. Porque terá sido e por que terá essa recusa um alcance permanente para a Igreja?
O profeta é um clarividente, um lúcido que procura que todos vivam com lucidez. O seu propósito não é ter poder, mas contribuir para que o povo e os governantes não se enganem, não enganem, nem se deixem enganar. Descubram onde está a verdadeira vida. Para o autêntico profeta, a paz é filha do direito, da justiça, da verdade e da sabedoria.
A figura do Messias, pelo contrário, é a de quem resolve, de forma “teocrática”, milagrosa, os problemas económicos, sociais e políticos. O Messias é um caudilho que manipula a opinião pública para conseguir e manter o poder. Os textos evangélicos encaram as tentações messiânicas como diabólicas: não deixam Deus ser Deus, nem os seres humanos responsabilizarem-se pela sua história. Deus é um tapa buracos e os seres humanos paus mandados de forças obscuras.
Jesus só foi reconhecido Cristo (Messias), – aliás um Messias crucificado -, porque venceu a tentação caudilhista. Defendeu a causa dos pobres, denunciou a idolatria do dinheiro e os ricos avarentos, provocou a conversão dos “zaqueus”, dispondo-os a restituir os frutos da corrupção, sem nunca se tornar sectário.     
3. Não se espera que a Igreja seja uma academia, um centro de investigação, um conjunto de faculdades dedicadas ao ensino da economia, das finanças, da gestão e das ciências políticas. Desde o Papa Leão XIII, foi-se constituindo, embora avaliada de formas diferentes, a chamada Doutrina Social da Igreja que, de facto, é a doutrina social dos papas. É desejável que, no seio das comunidades cristãs, muitas pessoas se dediquem, com todo o afinco, a cultivar ciências, artes e sabedorias para produzir e distribuir, da forma mais justa e mais respeitadora da natureza, tudo o que torna a vida humana mais digna de ser vivida. Neste sentido, é normal, que numa Igreja pluralista, surjam pensadores da realidade social de várias orientações, mas que possam confrontar-se e dialogar[I].
Jesus Cristo não deixou à Igreja, em herança, nenhum tratado de ciências sociais. Como quem diz, se delas precisarem, inventem-nas por vossa conta e risco, mas sem a minha assinatura. Deixou-nos, no entanto, indicações preciosas: todas as instituições são para alimentar e dignificar a vida humana; é escandaloso colocar a vida humana ao serviço do dinheiro e das suas instituições.
Mais escandaloso ainda, é continuar a plantar árvores que só podem dar frutos de injustiça e miséria, pobreza escandalosa.
Frei Bento Domingues, O.P.
30.06.2013


[I]  Jeffrey Sachs, O Fim da Pobreza, Casa das Letras, 2005; Coord. Lucy Williams, O Direito Internacional da Pobreza, Sucuru, 2010; Abhijit V. Banerjee e Esther Duflo, Economia dos Pobres, Temas e Debates, 2012; Tim Jackson, Prosperidade sem Crescimento, Tinta da China, 2013.

Sem comentários:

Publicar um comentário