04 março 2018

A HIPOCRISIA E AS CONFUSÕES DA QUARESMA

     
1. A Quaresma é uma questão muito séria de toda a Igreja e de cada cristão: é o reconhecimento de que não estamos irremediavelmente perdidos. Não existe nenhuma situação que não possa ser alterada. O aforismo ecclesia semper reformanda não é apenas realista é também um caminho de esperança. Os rituais da penitência não deveriam servir para mostrar que uns têm remédio e outros estão em situações irregulares irremediáveis, reduzidos ao estado de limbo eclesial.
Este tempo único começou com a imposição das cinzas: lembra-te que és pó da terra e à terra hás-de voltar. Hoje, com a cremação, és pó e nem à terra voltarás. Era uma declaração muito empírica, mas um bocado niilista. Parece-me que a nova fórmula é mais estimulante: arrependei-vos e acreditai no Evangelho[1], como quem diz, é urgente mudar porque é urgente a alegria. O pecado estraga, a graça do perdão liberta e abre o futuro.
O texto do Evangelho escolhido para essa celebração não alinha com um costume, que eu ainda conheci, de pôr as igrejas de luto e os santos de roxo. Atreve-se a desencorajar a religião do espectáculo, a dificultar a estatística do bem-fazer e o reconhecimento público dos benfeitores da igreja e das obras de caridade. Ao turismo religioso, dentro e fora dos templos, chama exibicionismo hipócrita.
A conversa de Jesus não tinha nada de teórico. Era dirigida aos discípulos e a todos os que desejam seguir o seu caminho e que calculam o que podem ganhar e perder com essa opção. Não tem o estilo capcioso e sedutor de quem anda a angariar adeptos com prémios e promessas. O melhor é ler o texto todo: “Tende cuidado em não praticar as vossas acções diante dos homens para serem vistos por eles. Aliás, não tereis nenhuma recompensa do vosso Pai que está nos Céus. Assim, quando deres esmola, não toques a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serdes louvados pelos homens. Em verdade vos digo: já receberam a sua recompensa. Quando deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que fez a direita, para que a tua esmola fique em segredo; e teu Pai, que vê o que está oculto te dará a recompensa. Quando rezardes, não sejais como os hipócritas, porque eles gostam de orar de pé nas sinagogas e nas esquinas das ruas para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo, já receberam a sua recompensa. Tu, porém, quando rezares entra no teu quarto, fecha a porta e ora ao teu Pai em segredo; e o teu Pai, que vê o que está oculto, te dará a recompensa. Quando jejuardes, não tomeis um ar sombrio, como os hipócritas, que desfiguram o rosto, para mostrarem aos homens que jejuam. Em verdade vos digo: já receberam a sua recompensa. Tu, porém, quando jejuares, perfuma a cabeça e lava o rosto, para que os homens não percebam que jejuas, mas apenas o teu Pai que está presente em segredo; e o teu Pai, que vê o que está oculto te dará a recompensa[2].”
Parece que, agora, na missa, para que se note quem reza como deve ser, ajoelha. De outro modo, não consegue chamar a atenção para a sua ortodoxia.
2. No primeiro Domingo da Quaresma[3], Jesus foi fazer um retiro para o deserto. Parece que não foi nem um tempo nem um lugar de sossego. Todas as versões falam de tentações e tentações diabólicas. Afinal tinham a ver com as esperanças messiânicas: resolver, de uma vez por todas, os problemas do povo.
O caminho imperial proposto por Satanás exigia que Jesus sacrificasse tudo à dominação económica, política e religiosa. De forma espectacular. Se estabelecesse esse império não teria rival e mostrava que era mesmo o filho de deus poderoso.
Esse programa tinha um pequeno inconveniente: era a substituição da vontade libertadora de Deus pelo império dos interesses do Dinheiro. A alegria do Evangelho teria de esperar. Jesus mandou bugiar essas propostas diabólicas. S. Lucas dirá: o assunto não ficou definitivamente resolvido. Tendo acabado toda a tentação, o Diabo o deixou até o tempo oportuno[4].
Passaram mais de dois mil anos e o “diabo” parece cheio de oportunidades e acólitos. São os interesses do dinheiro que fazem do mundo actual uma distribuição de matadouros. Não é de quem governa os Estados Unidos, não é de quem manda na Rússia e no império que procura, não é de quem exige na China um poder sem limite, que podemos esperar a paz mundial.
Para estes impérios o dinheiro não é para os seres humanos. Os seres humanos existem para eles terem cada vez mais poder de decisão de tudo e de todos. 
3. A liturgia deste Domingo, terceiro da Quaresma, está centrada na indignação e na revolta de Jesus contra a religião transformada em negócio. Subiu a Jerusalém e encontrou no templo os vendedores de bois, de ovelhas, de pombas e os cambistas sentados às bancas. Tudo o que era preciso para um culto bastante caro de judeus que vinham para a Páscoa, de todo o lado. Conta S. João que “Jesus fez um chicote de cordas e expulsou-os todos do Templo, com as ovelhas e os bois; deitou por terra o dinheiro dos cambistas, derrubou-lhes as mesas e disse aos que vendiam pombas: tirai tudo isto daqui; não façais da casa de meu Pai casa de comércio.”
Os judeus perguntaram-Lhe, com razão: que sinal nos dás que podes proceder deste modo? Jesus não facilitou uma resposta inteligível, pelo contrário, tornou a conversa impossível: destrui este templo e em três dias o levantarei.
Era evidente que Jesus já falava de outro templo e os seus dias estavam contados.
Jesus passou a não acreditar em nada daquilo e a não se fiar nem sequer naqueles que O louvavam e diz algo de extraordinário. Ele bem sabia o que há no homem.
Para uma próxima crónica teremos de enfrentar a questão fundamental de toda a Quaresma e de toda a Semana Santa. Vem expressa de forma incrível no prefácio da Oração Eucarística II: “Para cumprir a Vossa vontade e adquirir para Vós um povo santo, estendeu os braços e morreu na cruz; e, destruindo assim a morte, manifestou a vitória da ressurreição.”
Que vontade de Deus era essa que exigia o suicídio de Jesus de Nazaré? Afinal, quem O matou?
Frei Bento Domingues, O.P.
in Público 04.03.2018


[1] Mc 1, 15
[2] Mt 6, 1-6. 16-18
[3] Mc  1, 12-15
[4] Lc 4, 13
● ● ● ● ● ● ● ● ● ● ● ● ● ●
À PROCURA DA PALAVRA
P. Vitor Gonçalves
DOMINGO III QUARESMA Ano B
“Foram precisos quarenta e seis anos
para se construir este templo
e Tu vais levantá-lo em três dias?”
Jo 2, 20
Encontros e desencontros
“A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida”. Nesta frase de Vinícius de Moraes “encontro” o fio condutor para esta “procura” que vos ofereço. Pois de encontros e desencontros estão tão cheios os nossos dias. E se há mais e melhores vias de comunicação, nem sempre é fácil o encontro entre as pessoas. Mas esse é um dos nossos maiores desejos: encontrar e ser encontrado, como se estivéssemos a dizer: “amar e ser amado”!

A Bíblia mostra-nos Deus a tomar a iniciativa de vir ao nosso encontro. Vem passear com Adão e Eva ao entardecer, procura-os depois da desobediência, pergunta a Caim pelo seu irmão Abel, chama Abraão e faz aliança com um povo, escolhe Moisés e oferece as dez palavras de vida, consolida David e envia os profetas preparando a vinda de Jesus. Vem ao encontro para fazer festa, para perdoar as infidelidades, para responsabilizar nas escolhas, revelando um amor e uma esperança inesgotáveis. E o encontro ultrapassa tudo o que seria de esperar em Jesus encarnado, morto e ressuscitado.

Certamente o sinal mais visível da ligação de Israel a Deus, o lugar mais santo para se encontrar com Ele, era o Templo de Jerusalém. Edificado por Salomão, destruído por Nabucodonosor, reconstruído no regresso do Exílio: albergava as tábuas da Lei, ali se centralizava o culto e se faziam os sacrifícios, e era “a menina dos olhos da religião judaica”. Todo o judeu adulto devia ir, pelo menos uma vez na vida, ao Templo, e multidões afluíam a Jerusalém na altura da Páscoa. Também nele existia um átrio dos gentios, adoradores de Deus não submetidos às leis do judaísmo. Foi daí que Jesus expulsou vendedores e cambistas, recusando a transformação da “casa de oração do Pai” em “casa de comércio”. Não se pode encontrar o Pai em nenhum lugar onde o dinheiro é adorado; em nenhum coração que a ele se vende, em nenhuma vida escravizada pela ganância. A felicidade que o dinheiro promete tem o sabor amargo da tentação da serpente: “desencontra-nos” de Deus, de nós próprios, dos outros, e da própria vida!

As palavras de Jesus que acompanham o gesto profético indicam um novo “templo” e um novo culto. O encontro com Deus deixa de se fazer no “lugar sagrado” decorado com belas ofertas, passa pela “casa” dos filhos de Deus, o espaço familiar e fraterno da intimidade e da partilha, “onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome” (Mt 18, 20), e torna-se pleno no “santuário” do seu Corpo, na comunhão de vida e de amor com Cristo. É o culto “em espírito e em verdade” (Jo 4, 24) anunciado à samaritana; encontro sem desencontros, com Deus e com os irmãos, dentro da vida toda em que nos damos totalmente. Recusando os falsos cultos de adoração do poder, do dinheiro e da fama, é possível o encontro filial com o Pai, fraterno e comprometido com os irmãos, responsável pelo mundo. De que amor estão cheios os nossos encontros?
in Voz da Verdade 04.03.2018


Sem comentários:

Publicar um comentário